sexta-feira, fevereiro 25

Sopa Judaica engrossa o caldo anti-semita

Anti-semitismo em revista de culinária Na revista Sopas e Caldos, edição extra de Delícias da Cozinha, ano 1 número 11, com uma edição complicada pois há duas editoras assumindo, foi publicada a SOPA JUDAICA. Uma das editoras se denomina On Line Editora, mas com endereço http://www.editoraonline.com.br, sem nenhuma outra caracterização jurídica. Ela consta da capa. No expediente a publicação é o IBC - Instituto Brasileiro de Cultura, referido apenas como uma caixa postal 61085 em São Paulo, tel 11 3393-7777, sem outros dados. Na página 12 está a SOPA JUDAICA, receita de Ana Paula G. Martins. Entre os ingredientes constam: 300 g de costela de porco, 2 gomos de paio em rodelas, 1 gomo de linguiça calabreza, 300 g de lombo defumado e 100 g de bacon a ser frito em pedacinhos e despejado por cima na hora de servir. A turma judaica do "vamos deixar de enxergar", dá a autora uma justificativa que nem ela própria deu, dizendo que feijão em espanhol é "judá" (singular masculino, mesmo que pareça feminino para nós. Outra forma mais usada por motivos óbvios é "fréjol", portanto numa tradução de receita de "Sopa Judia" acabou-se em "Sopa Judaica". Nenhum dicionário espanhol/português vai traduzir "judía" para "judaica" e sim para "feijão" ou "judia". É o mesmo uso da "ignorância pessoal" como desculpa para o racismo, que praticamente todos os presos por sites na internet e comunidades no Orkut alegam: é proibido ser burro? Não, mas a lei brasileira é clara e diz que ninguém pode alegar o desconhecimento da lei como parte de sua desfesa... Em todas as pesquisas que fiz, encontrei em espanhol "Sopa de Habas". Se por acaso você encontrar "Sopa de Judios" mande para nós, para tentarmos esclarecer melhor. É algo extremamente ofensivo e dirigido diretamente para confrontar a comunidade judaica. É dessas pequenas coisas, quase invisíveis que o anti-semitismo vai se alimentando.