segunda-feira, janeiro 30

Faleceu o rabino Yitzhak Kaduri

O rabi Yitzhak Kaduri, o mais antigo e venerado cabalista judeu, neste sábado (28/jan) em Jerusalém vítima de pneumonia com uma idade estimada entre os 104 e os 106 anos, informaram fontes médicas.

O rabino foi hospitalizado há duas semanas no hospital Bikur Holim, situado nas imediações do bairro ultra-ortodoxo de Mea Shearim de Jerusalém. Kaduri, cuja fama atingiu as comunidades judaicas do mundo inteiro, era um estudioso da Cabala, o conjunto das doutrinas e dos preceitos do misticismo judaico. Segundo a tradição judaica, a Cabala é tão complicada e perigosa que só judeus com mais de 40 anos têm acesso a ela. Kaduri sempre se opôs publicamente ao estudo da Cabala por não-judeus e por mulheres.

Originário do Iraque, Kaduri chegou muito jovem à Palestina do Mandato Britânico, onde, na sequência de estudos em diversas escolas talmudistas se impôs como grande mestre da Cabala. Nunca publicou uma obra, mas era conhecido pelo seu imenso saber no domínio místico judaico. Adepto de uma vida austera, viveu muito tempo do seu ofício de encadernador. O único luxo que lhe foi conhecido, e nos últimos anos, era o de fumar cigarros estrangeiros.

A crença popular atribuía-lhe poderes mágicos, nomeadamente a cura de doentes. Os fiéis tocavam na sua porta para obter benesses. O magnetismo exercido pelo rabi nos meios tradicionalistas e religiosos foi explorado com sucesso pelo partido ultra-ortodoxo nas eleições israelenses de 1996. Depois de vários problemas com o partido ultra-ortodoxo, o rabi fundou a sua própria formação política para disputar as eleições legislativas de janeiro de 2003, tendo percorrido Israel em campanha eleitoral num veículo semelhante ao papamóvel.

Dezenas de milhares de judeus ortodoxos acompanharam seu cortejo fúnebre numa última homenagem.