quarta-feira, janeiro 18

Sexta-Feiraé um dia problemático para os judeus

Umuarama Ilustrado - Paraná http://www.ilustrado.com.br/noticias.php?edi=130106&id=00000028 Daniela Pereira

Sexta-feira 13: um dia como os outros (título original)

Hoje é a primeira sexta-feira 13 do ano. Para muitos considerado um dia de azar, de mau agouro, no qual nada dá certo. Muitas pessoas até evitam realizar certo tipo de atividades nesse dia por medo de que algo ruim aconteça. Mas têm aqueles que consideram o 13 um número de sorte, como o coordenador técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Mário Jorge Lobo Zagallo. Trazendo sorte ou azar, a sexta-feira 13 não passa de mais uma das superstições do povo brasileiro, rico em criar lendas e crendiçes.

Tudo indica que essa crendice vem de duas lendas da mitologia dos povos nórdicos. De acordo com a primeira delas, houve, no Valhalla – a morada celestial das divindades –, um banquete para 12 convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga em que morreu Balder, o favorito dos deuses. Instituiu-se, então, a superstição de que convidar 13 pessoas para jantar era desgraça na certa e esse número ficou marcado como símbol do azar.

A segunda lenda é protagonizada pela deusa do amor e da beleza, Friga, cujo nome deu origem às palavras friadagr e Friday, “sexta-feira” em escandinavo e inglês. Quando as tribos nórdicas se converteram ao cristianismo, a personagem foi transformada em uma bruxa exilada no alto de uma montanha. Para se vingar, Friga passou a reunir-se, todas as sextas feiras, com outras 11 feiticeiras, mais o próprio satanás, num total de 13 participantes, para rogar pragas sobre a humanidade.

Da Escandinávia, a superstição espalhou-se por toda a Europa, reforçada pelo relato bíblico da Ultima Ceia, quando havia 13 pessoas à mesa, na véspera da crucificação de Cristo – que aconteceu numa sexta-feira. No Antigo Testamento judaico, inclusive, a sexta-feira já era um dia problemático desde os primeiros seres humanos. Eva teria oferecido a maça a Adão numa sexta-feira e o grande dilúvio teria começado no mesmo dia da semana. (Com informações do site do Centro Apologético Cristão de Pesquisas - www.cacp.org.br)

OBS José Roitberg: no judaísmo a sexta-feira não é nem nunca foi um dia "problemático". Ao por-do-sol da sexta-feira inicia-se o sábado, o shabat o dia do descanço semanal obrigatório e da dedicação à leitura da porção semanal da Torah. Não existe "Antigo Testamento judaico"...