sexta-feira, janeiro 27

Vitória de Hamas é terremoto político

Diretor de órgão humanitário diz que vitória de Hamas é 'terremoto político'

Globo Online (26/jan/2006

RIO - Em entrevista ao GLOBO ONLINE, o diretor do Grupo Palestino de Monitoramento dos Direitos Humanos, Bassem Eid, afirmou que um "terremoto político" atingiu os territórios palestinos.

- Acho que o próprio Hamas ficou chocado e surpreso de como eles conseguiram um número tão grande de votos - disse.

Para Eid, a crise interna do Fatah foi uma das razões para a vitória do grupo extremista nas eleições palestinas. As ameaças de Israel e da comunidade internacional também levaram o Hamas a conquistar o maior número de cadeiras no Parlamento.

- Mas o principal foi que, nos últimos anos, nós, palestinos, temos ouvido da Autoridade Nacional Palestina tantas promessas, inclusive de combate a corrupção, e nada aconteceu. Os palestinos ficaram cheios dessa situação - explicou.

Segundo o diretor do órgão, muitos cidadãos de "mente aberta", democráticos, votaram no Hamas porque acreditaram que o movimento é o único capaz de realizar mudanças. Entretanto, o povo palestino ainda não teria entendido que levar o Hamas ao poder "é um desastre". Para exemplificar, Eid citou uma história pessoal:

- Um amigo israelense que conheci há pouco, disse-me estar muito satisfeito com o resultado das eleições. Ele disse que vamos levar o Hamas e eles, israelenses, vão levar o Likud para um novo conflito sangrento e, daqui a uns cinco anos, estaremos mais aptos a nos comprometer e procurar uma solução para o Oriente Médio. E é isso mesmo.

Eid afirmou ainda ter certeza que, no próximo mês, os membros da segurança palestina vão lutar pelos seus salários.

- A ANP precisa, todo mês, de 40 milhões de dólares. Quem vai pagar por isso se de acordo com as leis da Europa ou dos Estados Unidos, eles não podem apoiar o Hamar? De onde vão tirar o dinheiro? - indagou.

Eid apontou o povo palestino como único culpado dessa situação. Para ele, a falta de estratégia da população é uma das razões para o "caos".

- Temos que entender que as pessoas estão insatisfeitas. Com certeza, a sociedade civil, os acadêmicos. Mas parece que nós (sociedade civil e acadêmicos) somos considerados a minoria dos palestinos. Pensei que fôssemos a maioria, mas eu acho que estava errado.

Para finalizar, Bassem Eid ressaltou que vai levar tempo até que a população palestina perceba o desastre que trouxe para si. Em algumas semanas, um novo cenário deve surgir, com a transferência de poder do Fatah para o Hamas. Para Eid, não há a menor possibilidade de ambos os movimentos trabalharem juntos.

- Eles são inimigos e você nunca trabalha com seu inimigo. Hamas e Fatah são dos maiores inimigos do Oriente Médio. Nunca veria os dois cooperando um com o outro - completou.