quarta-feira, abril 12

Ministro palestino ameaça matar praticantes da dança-do-ventre

Sharia nos Territórios

(AJN/Télam-SNI, ANSA e EFE - 07/abr/06) - O ministro da cultura da Autoridade Palestina, Attallah Abu al Sibbah, anunciou hoje que o Hamas pretende implementar a lei islâmica (sharia) em todo o território palestino, na vida cotidiana, incluindo a proibição da dança-do-ventre. O ministro disse, em entrevista ao jornal inglês The Guardian, que a intenção não é a de imitar o regime taliban do Afeganistão. Disse ainda que sua tarefa é "sanear os costumes palestinos de influências contrárias à sharia" e anunciou a segregação de sexos em locais públicos, o fechamento de casas de jogos e a proibição total de venda de bebidas alcoólicas.

"Na dança-do-ventre há mulheres semi-nuas e isso não é islâmico", alertou Al Sibbah. "Se o fenômeno (da dança-do-ventre) se estender, nossa gente poderia reagir matando essas pessoas ".

Al Sibbah disse que com parte das medidas culturais pretende reabrir três cinemas fechados desde 1987 pois eles "podem ser uma ajuda para a educação. Nem todo Hollywood é mal. Titanic é um bom filme, é humano", declarou o ministro.

obs mji: realmente é impossível se traçar qualquer consideração sobre o que vai acontecer com os palestinos ou por causa deles. Adotar a Sharia, segregar a mulher e dizer que não vão imitar os talibans chega a ser ingênuo. Agora, a massa palestina que votou no "cacareco" deles e elegeu o Hamas vai aceitar a opressão da Sharia? Uma das coisas que os regimes muçulmanos fundamentalistas como o do Irã e Arábia Saudita odiavam nos palestinos era exatamente seu caráter mais ocidental...

O alcance do que significa a Sharia nos Territórios é preciso ser bem entendido. Se aplicada com o rigor que o ministro quer (saneando o dia-a-dia), as igrejas cristãs ortodoxas podem ser fechadas e demolidas por lei, os locais históricos importantes para cultos judaicos e cristãos podem ser varridos do mapa, as mulheres deverão usar o shador (cobrindo-se inteiramente), poderão ser banidas das escolas e universidades etc. Um golinho de Arak, nem pensar...

Espero, sinceramente que o mundo, pois aí é um problema de todos, não permita em 2006 a segregação das mulheres palestinas. Separação de sexo em locais públicos significa: ruas, praças, restaurantes, transportes, praias, insituições oficiais, escolas, universidades etc. Quero ver também toda essa mídia militante de esquerda defendendo essa liderança palestina ou se omitindo solenemente enquanto Gaza se transforma em Kabul-no-Mediterrâneo... Na outra vez que isso aconteceu, e as mulheres afegãs foram massacradas pelos homens afegãos a esquerda se omitiu. Levantou-se apenas para chamar os americanos de nazistas quando resolveram acabar com o taliban!

Essa notícia chega no mesmo dia em que Arábia Saudita, o Kuwait e os Emirados Árabes Unidos anunciam que vão financiar a Autoridade Palestina sob o mando do Hamas garantindo entregar 50 milhões de dólares por mês ao Hamas! É óbvio que há uma relação direta entre as duas!

judeu