sexta-feira, maio 5

Ataque nazista no centro de Israel

A "Grande Sinagoga de Petah Tikva" foi invadida e suásticas foram pichadas no chão, nos rolos de Torah e em diversos locais. De forma totalmente imprópria para um jornalismo em país com liberdade de expressão, mas com rabo preso, o jornal Haaretz, que divulgou a notícia para o mundo, omitiu, intencionalmente, que as suásticas estavam acompanhadas por cruzes, como se pode ver em várias das fotos.

A grande pichação, errada, no piso de entrada "RAMSSTIN", onde quem pichou ficou na dúvida se era com um "s" ou dois, aponta para fãs de um controverso grupo musical alemão, fundado em 1994 por alemães orientais, chamado "Rammstein für Deutschlernende". Muitas vezes, nas traduções e adaptações para outras línguas, o grupo acaba sendo chamado de "Ramstin".

Mesmo dentro da cultura punk e skinhead não há uma definição clara se esse grupo musical é ou não nazista. Para os punks, é. Para os skins mais radiciais, o "Rammstein" é anti-nazista, tendo seu líder dado várias entrevistas onde chamava Hitler de idiota.

Mas o "Rammstein" é apontado como nazista, por trechos de algumas de suas letras e pelo uso de partes dos filmes de Leni Riefenstahl, a cineasta de Hitler, em seus vídeo-clips. Os dois autores do Massacre de Columbine, de ideologia abertamente nazi, eram fãs de "Rammstein", que só canta em alemão, e possuíam seus álbuns.

Como a maior parte da mídia, o Haaretz deixa o raciocínio e relação com fatos anteriores de lado. No ano passado foi preso um jovem morador de Ariel, junto com a mãe dele. Depois de 18 meses no exército "descobriram" que ele tinha uma imensa suástica vermelha tatuada no braço esquerdo, marca dos skinheads russos. Na prisão, a mãe, que veio com o filho ainda pequeno na aliah russa, declarou-se abertamente nazista e defendeu as posições do filho.

A polícia disse que apreendeu o computador do rapaz, e fez ligações com um grande círculo de imigrantes russos não judeus nazistas dentro de Israel, mas a censura existente para este tipo de assunto, fez com que não houvesse o desenrolar da situação na mídia.

Nazistas em Israel

Na época de tal prisão, o mais trágico foi a polícia declarar que não tinha como manter mãe e filho presos, pois NÃO HÁ LEIS ANTI-NAZISTAS EM ISRAEL. Os fundadores e décadas de legisladores acharam que Israel estava livre de nazistas e não precisava de leis, tanto que o Mein Kampf em hebraico pode ser comprado até na livraria do aeroporto...

Mas os tempos mudaram. Nazistas presos e soltos sem acusação! Nazistas invadindo sinagogas nos arredores de Tel Aviv como se estivessem na Ucrânia! Basta! Atacar uma sinagoga no centro de Israel na noite de Iom Hatzmaut??? O Haaretz não fazer essa ligação??? O Knesset está brincando! Será que não há um parlamentar judeu para levantar uma bandeira anti-nazista dentro de Israel? Nem os comunistas do Meretz? Caramba: judeu comunista tem que ser anti-nazista! Não há opção!

Mostrando uma falta completa de entendimento do cristianismo, do uso por certos setores nazistas do cristianismo radical, o porta-voz da polícia declarou ao Haaretz, e o jornal publicou, ambos de forma ignorante, que é possível que "o vandalismo tenha sido feito por adoradores de satã"!!! Será que esses ignorantes nunca ouviram falar em "666" e "cruzes invertidas" o que caracteriza o grupo citado? É uma vergonha de tentativa de dissimular a realidade dos atacantes.

Israel tem que admitir que há nazistas por lá, que a Agência Judaica é responsável pois eles emigraram legalmente para Israel e que não é possível um sujeito com uma suástica no braço passar pelo exame médico de admissão no IDF e levar 18 meses, sem camisa, usando camiseta, tomando banho, até alguém perceber...

Covardia

Acham que a ignorância termina por aí? Não termina não! As pichações foram encontradas pelos freqüentadores da sinagoga no dia 4 quando chegaram para a reza matutina às 04:30h. Ofendidos, os judeus deixaram a sinagoga SEM REALIZAR AS ORAÇÕES! O que é isso? Dar a vitória aos nazis? É claro que as orações deveriam ser feitas e um discurso duro, uma nota oficial duríssima contra o nazismo deveria ser emitida. Mas os judeus ficaram com medo, choraram e foram embora. Quando judeus ficam com medo de nazistas dentro de Israel é porque a identidade, a lembrança do Shoá, o Izkor se perdeu, pelo menos para essas pessoas.

Ficar parados por um minuto quando as sirenes soaram em Iom Hashoá, eles certamente ficaram. Mas responder adequadamente a um punhado de tinta preta... Melhor chorar... A colônia judaica de Petach Tikva "A Porta da Esperança" é uma das mais antigas da história moderna dos judeus, fundada em 1878. Já deviam ter aprendido a usar a fechadura correta...

Rezar em sua casa, cercados por suásticas, seria a afirmação de "vocês não nos atingem", mas ir embora significa um despreparo ideológico inimaginável 60 anos depois do fim do Holocausto.

O líder da congregação, Avraham Dolberg declarou: "As pessoas estavam de pé chorando. Elas nunca testemunharam uma coisa dessas em suas vidas – uma sinagoga pichada por todos os lados, em todas as paredes. Nenhuma parede foi deixada sem uma suástica".

Tranca na porta arrombada

Dolberg também declarou que a sinagoga foi atacada por vândalos várias vezes nos últimos meses, "principalmente por crianças" (a tola desculpa normal), mas o vandalismo se intensificou nos últimos dois meses, quando fezes humanas foram encontradas ao lado do Aron Hakodesh.

Tem uma pergunta para você fazer: "Será que é tão difícil assim haver policiamento na "Grande Sinagoga de Petach Tikva" quando há atos continuados de vandalismo? Tem tanta gente desempregada por lá, tanta gente com serviço militar e esse Dolberg e outros membros da congregação não se tocam que precisam, pelo menos de um vigia noturno?

O comunicado oficial do escritório de Jerusalém da Anti-Defamation League, chamou o ataque de "fenômeno"… Fenômeno é o raio que parta o burocrata que escreveu isso. Nazista é nazista! Fruto de propaganda, de falta de lei na internet e de falta de políticas de combate ao ódio racial! Naizsta é organizado. Nazista faz lista de judeus, de lojas de judeus e de insituições judaicas, se preparando para uma Noite dos Cristais no século 21. Fenômeno...

judeu